domingo, 8 de novembro de 2009

Show Sesc Pompéia

Com a palavra... os fãs !!


"Ansiedade e...medo. Sim, medo. Sabe aquela sensação de quando você gosta muito de alguém, esse alguém fica um tempo longe e , chegada a hora do reencontro, você sente aquele medo de que as coisas não sejam mais como antes, medo de um buraco que, uma vez aberto, não poderá mais ser ocupado por ninguém. Pois é. Era mais ou menos isso que eu estava sentindo ao pisar no teatro do SESC Pompéia, dia 31/10.

Vinte e uma horas: Público acomodado em seus respectivos lugares. O locutor da casa dá os avisos de segurança, diz que é proibido filmar, fotografar e todas aquelas coisas que ninguém (ainda bem) cumpre. Acabados os recados, o locutor anuncia “ O SESC Pompéia tem o prazer de apresentar: Chicas”.

Ao avistar as meninas entrando no palco, as sensações de alívio da ansiedade e euforia misturaram-se, resultando numa terceira e inominável sensação.

Tentando ser um pouco mais objetiva...

Admito que minha péssima memória não me deixa lembrar a ordem das músicas no show, por isso, vou me contentar e fazer uns comentários aleatórios sobre algumas canções.

As meninas começaram com uma eficiente e animada versão de Can't Buy me Love / All You Need is Love, dos Beatles. Destaque para a performance da Isadora na bateria.

Do cd antigo as meninas tocaram Ter que Esperar ( sempre emocionante ) e Rap do Silva, que foi emendada por uma impagável composição da Fernanda: "O Cofre". Divertidísimo !!

Das músicas que elas tocavam no show antigo mas que não constavam no cd teve “Moleque” (alto astral), “Olha” (ritmo contagiante e uma letra que é pura poesia), “ Androginismo” (transforma qualquer lugar num carnaval de rua), Baião de Rua / Menina Amanha de Manhã (faz as pernas quererem dançar até o sapato furar) e as obrigatórias “Divino Maravilhoso” e “O Quereres”.

Das músicas novas: “Terapia de Murga” é uma delícia, com uma letra oscilando entre o trágico e o cômico e variações rítmicas bem interessantes. “Sorriso nos Lábios” possui uma letra crítica e irônica, diluída num ritmo gostosíssimo, é a música que trouxe as meninas de volta no bis. “Caras e Bocas” ganhou uma roupagem nova, bem legal. “Tá na Cara” é liiiinda, dá vontade de apertar a mão da pessoa que está do lado e entrar num clima “paz e amor” (talvez por isso seja a música que encerra o show). E “Nosso tempo”... Essa é um verdadeiro soco no estômago, ou melhor, no coração, é pra ouvir e chorar, sentir saudade. É lindamente doída.

Do Barulinho, elas trouxeram “ Espingarda de Rolha”, com uma espírito de criança arteira baixando na Amora. Ótimo.

Os solos são um caso à parte:

O solo da Paula continua “ Saudade da Boa / Espumas ao Vento”: passional e arrebatador.
O da Isadora, “ A Terceira Margem do Rio”, é lírico e teatral.
O da Amora, “ Achou”, é delicioso e envolvente.
E o da Fernanda... Como descrever? Me senti tragada pra um silêncio profundo que só era quebrado, unicamente, pela voz virtuosa da Fernanda. São impressionantes a concentração e a forma com que ela “entra” na canção. Primoroso.

Pra encerrar o show, teve a mais “Chicas” de todas as músicas da Chicas: Felicidade. Pra mim, ela representa o ápice do “jeito chicano de ser e sentir”.

Estendo meus comentários ao show de domingo. De diferente em relação ao de sábado, só lembro a inclusão de “Paciência” no bis.

Pontos Negativos?? Uhm...deixe-me ver... Ah, a localização do palco era péssima, ficava entre as duas platéias, o que obrigava as meninas a ficarem meio de frente, meio de lado, meio de costas para o público,rsrs, era um negócio bem esquisito. O teatro não estava cheio, fato que gerou uma certa decepção em mim, mas, ao mesmo tempo, me motivou a continuar o trabalho de divulgação entre meus amigos. Uhm...Embora eu adore “ Espumas aos Vento”, senti falta de um solo novo pra Paula.

Saí com a alma lavada. Tem coisas que só um show das Chicas faz comigo. Enfim, senti que o show novo está musicalmente mais maduro em relação ao anterior. Percebi que ainda há muuuuita coisa pra se descobrir nessas novas canção, tanto por nós, quanto pelas próprias meninas também. O show, que já está voando alto, tem potencial para chegar às estrelas.


Texto: Carol
Fotos: Arquivo pessoal de fãs

2 comentários:

jugummy04 disse...

ai ai hein Carol...arrepiei com seu texto..amei!

Adriana disse...

Cara, eu PRECISO saber quando as Chicas virão ao Rio ou a NIteroi. Help! Help! Help!